top of page

OOH, internet e TV por assinatura impulsionam investimentos em mídia

FONTE: PROPMARK

Aportes cresceram 12,5% no primeiro semestre e registraram R$ 8,3 bilhões, aponta Cenp-Meios; TV aberta tem queda e perde participação


O volume de investimentos publicitários em mídia bateu R$ 8, 3 bilhões no primeiro semestre deste ano, alta de 12,5% em relação ao mesmo período de 2021, que havia registrado R$ 7,3 bilhões. Desde 2019, é a primeira vez que os números do primeiro semestre superam a casa dos R$ 8 bilhões. Os dados estão no painel Cenp-Meios, organizado pelo Cenp (Fórum da Autorregulação do Mercado Publicitário).

Em termos percentuais, o segmento de mídia exterior teve a maior alta, 60,43%, e saltou de R$ 552,3 milhões para R$ 886 milhões em investimentos. Com isso, elevou a participação em 3,19% e reforçou a sua posição como terceiro principal destino dos aportes, com 10,7%.

Outro segmento que se destacou positivamente foi TV por assinatura, com 35,8%, fechando os primeiros seis meses do ano com R$ 522 milhões. No share total dos investimentos, ocupa a quarta colocação com 6,3%.

A internet aparece logo atrás em ritmo de crescimento, com aumento de 23,91%. Financeiramente, encerrou junho com aproximadamente R$ 2,6 bilhões em recursos, impulsionado pela subcategoria ‘internet display e outros’, que expandiu 9,91% e representou 65,4% de todo o investimento no segmento. Alcançou 31% de participação, ampliando a sua força no bolo publicitário – no primeiro semestre de 2019, antes da pandemia, o meio respondia por 20,2% do total e movimentou cerca de R$ 1,7 bilhão.

De acordo com Luiz Lara, presidente do Conselho do Cenp, os dados coletados e consolidados de 2021 já apontavam que uma “forte recuperação” em relação ao pior ano da pandemia, 2020, estava a caminho. “Isso sinaliza uma boa perspectiva para o mercado, já que o segundo semestre conta com um calendário relevante para as marcas que inclui Copa do Mundo e datas comemorativas como Black Friday, Cyber Monday e Natal”, projeta.

Entre os segmentos que registraram números negativos, chama atenção a queda de 2,08% dos investimentos de mídia em TV aberta, que continua sendo o principal caminho para as verbas publicitárias no país e girou R$ 3,8 bilhões – contra R$ 3,9 bi no primeiro semestre de 2021.

Apesar de ser em percentual pequeno, a retração contribuiu para que o meio perdesse participação de mercado, saindo de 52,9% para 46,1%, o que significa uma redução de quase 7 pontos percentuais.

Para a análise dos volumes, o Cenp-Meios reuniu dados de 309 empresas parceiras localizadas nas cinco regiões do país. No final do ano passado, contava com 298. Segundo a entidade, por sua metodologia, consegue oferecer precisão total de informações.


Σχόλια


bottom of page